domingo, 13 de dezembro de 2009

As palavras já não se fazem mais tão necessárias quando estás aqui.
O gotejar no meu telhado soa como música e os pássaros cuidam de te exaltar com um fôlego além do natural.
Eu, pequena, só consigo contemplar sua beleza e sorrir e chorar e me calar, agradecida por poder descansar.
Acordaste-me de novo, simplesmente pra dizer que estavas aqui na minha casa de barro.
Meus ossos perguntam-me mais uma vez por Quem Tu És e eu já não sei responder...
Absurdada diante da Tua Glória - SILÊNCIO - meu coração agora bate no mesmo compasso que o teu.
Não vá embora.