domingo, 26 de maio de 2013

a paixão acaba
já conheci seu lado mais imundo
choramos a distância lado a lado
quero que fiques (se não chover, não cria raiz)
esperaremos o raiar do sol
trabalharemos pro renascer do amor - de novo
e é certo que ele brilhará
vamos tomar café ao amanhecer,
comer geléia de amora
colher os frutos da promessa
miseráveis pecadores, redimidos pelo sangue
te amar é um presente, permanecer é um mistério
permaneceremos, preto
para a Glória de Deus Pai, floresceremos



domingo, 19 de maio de 2013

Murilo Mendes

A GRAÇA

Desaba uma chuva de pedras, uma enxurrada de estátuas de ídolos caindo, 
manequins descoloridos, figuras vermelhas se desencarnando
dos livros que encerram as ações dos humanos.
E o meu corpo espera sereno o fim deste acontecimento, 
mas a minha alma se debate porque o tempo rola, rola.
Até que tu, impaciente, rebentas a grade do sacrário; 
e me estendes os braços: e posso atravessar contigo o mundo em pânico.
E o arco-de-Deus se levanta sobre mim, criação transformada.

O JUSTIFICADOR
Teu espírito se dilata para abraçar a criação.
Chegam famílias das pirâmides para te verem,
Outras chegam dos confins dos mares.
A noite te anuncia pelos seus astrônomos e suas estrelas,
O dia te proclama pelos seus sinos e pelos seus jornais.
Gerações inumeráveis crescem à sombra da tua Igreja.
Atravessas campo e deserto, sobes em arranha-céus,
Voas no aeroplano, desces no submarino,
Abalas a alma do cego, do criminoso e da perdida.
Presides ao casamento, ao nascimento, à morte e à ressurreição.
Os homens te dividem em mil imagens falsas:
Mesmo assim, mutilado, esquartejado, sujo,
Dás a todos o único, o insubstituível consolo.
Tuas parábolas publicadas em edições de engraxate
Comovem ao mesmo tempo o ignorante e o poeta.
Os maus sacerdotes em vão procuram te ocultar:
Tu os convertes na última hora, como ao bom ladrão.
Espalhas pela terra teu corpo e tua alma em pedaços,
E cada alma, mesmo ruim, é uma relíquia tua.
Diariamente o mundo te persegue e te mata,
Diariamente ressuscitas a atrais o mundo a ti.


ETERNIDADE DO HOMEM
Abandonarei as formas de expressões finitas,
Abandonarei a música dos dias e das noites,
Abandonarei os amores improvisados e fáceis,
Abandonarei a procura da ciência imediata
Serei a testemunha de um mundo que caiu,
Até que te manifestes na tua Parusia.

Aceitarei a pobreza para que me dês a plenitude,
Aceitarei a simplicidade para que me dês a multiplicidade,
Descerei até o fundo da mina do sofrimento
Para que um dia me apontes o céu da paz.

Minha história se desdobrará em poemas:
Assim outros homens compreenderão
Que sou apenas um elo da universal corrente
Começada em Adão e a terminar no último homem.


O UTOPISTA

Ele acredita que o chão é duro
Que todos os homens estão presos
Que há limites para a poesia
Que não há sorrisos nas crianças
Nem amor nas mulheres
Que só de pão vive o homem
Que não há um outro mundo.

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Louvado seja o Senhor
que mais uma vez tirou-me o riso
Louvado seja o Senhor 
que em minha dor fez-me lembrar de sua promessa
Louvado seja o Senhor pois a luta não terminou
e a vitória é certa pois é sua e não minha

O amor vencerá a mentira
O amor vencerá o pranto
O amor curará as chagas
O amor persistirá contra toda a liquidez

Cega, surda e louca
profundamente ferida, de novo
Sei que estou em seus braços 
e deles jamais poderei escapar

Graças te dou por sua fidelidade
Graças te dou pois reconheço, Rei meu e Deus meu:
eu sou sua